Não basta fazer por fazer, fazer por Obrigação. Tem que haver Comprometimento!!!

“-Não basta fazer por fazer, fazer por obrigação. É preciso fazer e fazer muito bem. Tem que haver COMPROMETIMENTO”.
Acredito que todos nós já ouvimos isso. Mas ainda existem pessoas que não entendem tal frase. Essas continuam de alguma maneira confundindo obrigação com comprometimento. Na realidade, realizar tarefas nada mais é que uma obrigação. Comprometer-se com elas já é um grande diferencial. E esse tipo de atitude é cada vez mais observada e valorizada nas empresas.

Existem por ai muitos “funcionários”, os quais também denominamos de "funcionários genéricos", que se dirigem a seu local de trabalho levando apenas parte de seu corpo (pernas e braços), ou seja, deixando a mente e o coração em casa. Vestem-se até como tais, mas na verdade não agem como tal. Trabalham mal humorados, desmotivados, são preguiçosos, negligentes, descumpridores de regras e geralmente estão sempre a se lamentar e a murmurar. E isto tudo acaba naturalmente sendo percebido pela própria equipe, empresa e principalmente pelos clientes.

Como já abordamos em artigos e mensagens anteriores, quem enxerga o trabalho como uma obrigação penosa certamente tem muito mais dificuldade para aferir bons resultados. As pessoas devem ter uma consciência maior, um sentido mais completo, isto é, devem gostar do que fazem, se não, aprenderem a gostar e adaptar-se. E adaptação vem com dedicação, motivação, muito entusiasmo, treinamento e fundamentalmente, comprometimento.

Um colaborador verdadeiramente comprometido é aquele que está altamente engajado no que se propõe a fazer. Sente-se, independentemente das circunstancias, crise e adversidades do dia a dia, motivado para que possa “mergulhar” no trabalho, se entregando de corpo e alma, e assim, apresenta resultados mais do que esperados. Atua como intra-empreendendor, isto é, cuida da empresa como se fosse sua, é um profissional proativo, “antenado”, atuando sempre de forma a interferir e a propor mudanças em prol da melhoria contínua, contribuindo então, para com o desenvolvimento e crescimento da empresa.

Podemos afirmar também que esse tipo de colaborador, é aquele que abraça seu trabalho, dedica um certo tempo até mesmo para fazer outras coisas além de suas obrigações. Ou seja, ele tem uma determinada função, por exemplo, mas acaba executando quando necessário outras, dando suporte como voluntariado, por acreditar na missão da empresa.

Esse, ama e divulga o que faz por onde passa. Sente prazer em estar ali. É realmente um defensor da ideologia do seu trabalho e da sua empresa. Com certeza, em função da atitude de comprometimento, essas pessoas fazem a grande diferença por onde passamTalvez possamos dizer que aquele que faz por obrigação, faz somente o que as pessoas mandam. Já aquele que é comprometido acaba fazendo o que as pessoas precisam.

Enfim, quando alguém faz algo por obrigação, tal pessoa se sente obrigada a agir. Naturalmente um componente de irritação se instala nessa pessoa. Já quando alguém está comprometido, é algo que nasceu do seu desejo, de sua vontade. Algo que ocupa dentro da pessoa um espaço prazeroso e por isso essa se compromete cada vez mais.

Na verdade, a obrigação nos dá a sensação de que somos prisioneiros, ou seja, temos de fazer isso e isso tem prazo de validade e não vemos a hora de acabar aquela obrigação pra que possamos ir fazer algo que realmente desejamos fazer. Em outras palavras, falta de comprometimento – São as pessoas com “freio de mão puxado”, que cumprem sua rotina por obrigação, de maneira quase bovina, passiva, sem dar um grão sequer a mais da sua energia. Entram no horário, saem no horário, batem o ponto e... pronto.

Lembre-se: Enquanto você continuar trabalhando por obrigação, não sentindo prazer de estar verdadeiramente comprometido pelo que faz, seu trabalho continuara desgastante, cansativo, chato e penoso. E isto acaba naturalmente sendo percebido por todos à sua volta e principalmente pelos clientes. E o pior.... da maneira como as coisas estão, esse tipo de atitude (atitude negativa), pode acabar afetando sua carreira e principalmente fazendo você correr o risco de perder seu emprego. Posicione-se!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

03 de junho - O Dia do Profissional de RH

Aproveitando esse dia especial, gostaria apenas de manifestar minha opinião sobre o tema 'RH', de maneira bem objetiva através da seguinte reflexão:

O RH deveria mudar de patamar, ocupando uma posição ainda mais estratégica nas organizações. O que se vê na grande maioria das empresas é a predominância do 'RH tático', ou seja, aquele que cuida dos processos de recrutamento, seleção, treinamentos, avaliação, cargos e salários, etc. Claro que cada uma dessas atividades são importantes, mas seriam bem mais eficazes se associadas a objetivos de transformação cultural e comportamental da empresa como um todo. Na realidade, como foi apresentado na imagem o RH tem a responsabilidade de manter e cuidar do maior patrimônio das empresas, o Capital Humano. Posicione-se!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Liderança Negativa - Olha-se muito mais para os Defeitos do que para as Qualidades

Prezado Chefe, Gerente, Supervisor, Diretor, ou seja, Gestor de uma maneira em geral. Vale a pena observar também as qualidades de cada um de seus comandados. Pois muitos "Chefes" que se dizem gestores e/ou líderes, os quais costumo denominá-los de "Genéricos", por se sentirem frustrados por alguma razão, olham mais, ou somente para os defeitos. Esses se deparam, achando que nada de bom ou nenhuma qualidade pode vir daquele liderado. Costumo dizer que quando se tem um pensamento negativo de si mesmo, a probabilidade de olhar para os outros e encontrar defeitos é maior.

Vejo ainda muitos 'gestores' sendo mais chefes do que lideres. Volto a falar que liderança é mais cérebro do que músculo. Na verdade, a verdadeira liderança não é simplesmente uma questão de insistir no desempenho. É uma questão de inspirar os outros a desejar ter um bom desempenho.

Está na hora dos profissionais responsáveis por equipes refletirem sobre seu papel e colocar a liderança a prova. A maioria é operacional o que é importante para função, porém precisam também pensar estrategicamente, disponibilizar tempo para estudar, pensar em alternativas, conhecer cada um de seus colaboradores e treinar, treinar.......... cada vez mais a equipe.

Como já falamos em artigos passados, o maior foco que um Líder deve ter são nas pessoas, pois é nelas que está o poder da decisão em fazer ou não fazer, em fazer tudo ou só uma parte, em fazer correto ou mais ou menos, em fazer agora ou depois, em atender e vender bem ou atender e vender de qualquer maneira....

No caso do varejo, lamentavelmente muitos gerentes e até mesmo alguns supervisores ainda têm o perfil de “chefe”. Gastam praticamente todo seu precioso tempo se preocupando somente no operacional, em saber se o pessoal vai chegar no horário, se a arrumação da loja está OK, se o caixa foi fechado corretamente e outras coisas do tipo.

É importante também que haja um interesse em saber como cada liderado e a equipe como um todo estão se saindo. O que estão sentindo? O que é preciso fazer para extrair o melhor, ou seja, o potencial de cada um? Como estimulá-los? Como fazer para atingir as metas estabelecidas? E como proceder em situações conflituosas e adversas?

O mais chato de tudo isso é quando as pessoas admiram suas qualidades em silencio e começam a procurar os defeitos dos outros e quando encontram, julgam seus defeitos em voz alta. Ou seja, elogiam muito pouco ou quase nada o desempenho de seus liderados e valorizam muito mais o erro, a falha. Isso é o que chamamos de LIDERANÇA NEGATIVA.

Lembre-se: É muito fácil apontar os erros e os defeitos dos outros. Pois, antes de apontar um erro de uma pessoa, veja se os seus comentários ajudarão de alguma forma a melhorar a situação, aumentar sua auto estima ou trazer harmonia. Um Líder Positivo não pega os erros dos outros e faz com que eles se sintam culpados. Ao invés disso, eles corrigem os erros dos outros com sabedoria através de atitudes positivas e feedbacks construtivos. Posicione-se!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

ATENDIMENTO - Você sabia que o Atendimento ao Cliente é um Serviço Perecível???

Se todos temos consciência da importância do atendimento, por que cometemos ainda tantos equívocos ao lidar com os clientes? Porque fazemos com que eles se sintam muitas vezes como moribundos, prestes a morrer, agonizando, implorando apenas por uma melhor atenção? Porque continuamos tratando-os com apatia, indiferença, desinformação e até mesmo com ignorância? Hoje é preciso oferecer muito mais do que apenas um simples atendimento. Na verdade, um atendimento com simpatia, educação e cordialidade não é mais um diferencial, é uma obrigação, é algo comum, que nem se quer é mais notado pelo consumidor moderno. Então, a partir de agora comece a monitorar e a realimentar a cada dia o atendimento que você e sua empresa presta aos seus clientes.  

ATENÇÃO: Talvez a maior razão de você não estar conseguindo resultados positivos em suas vendas, não esteja somente na crise, mas sim em relação ao tipo de atendimento que seu pessoal vem disponibilizando para seus clientes. 'SERVIR E SATISFAZER COM PRAZER E PERFEIÇÃO'. Esse tem que ser um SLOGAN a ser seguido. E cada vez mais trabalhado por todos.

Quando falamos de bom atendimento, estamos na realidade falando sobre comportamento humano, atitudes das pessoas diante do trabalho (mudança de hábitos). Ou seja, é possível oferecer atendimento de qualidade com pequenas mudanças de atitudes e comportamentos. Para isso, principalmente diante dessa crise, contrate, treine e capacite boas pessoas, bem selecionadas, pois atualmente são as pessoas o grande diferencial. Temos que nos conscientizar cada vez mais que o bom atendimento começa em casa, dentro da empresa (CLIENTE INTERNO).

A insatisfação pelo atendimento (hoje responsável por mais de 65% dos motivos de perda de um cliente segundo pesquisas) faz com que tenhamos a obrigação de nos aperfeiçoarmos de maneira continua toda nossa estrutura sem exceção.

Em um cenário em que, cada vez mais, as empresas disputam pela preferência de um mesmo cliente. Hoje em dia, principalmente com o desaquecimento da economia, o atendimento é a ferramenta mais poderosa para a atração, manutenção e fidelização dos clientes, seja por telefone ou no contato face-a-face, mas apesar desta importância nos deparamos no dia-a-dia, como citamos anteriormente, com atendimentos rudes, desatenciosos, preconceituosos e com pouca qualidade, o que faz com que o cliente procure outro local para a aquisição do produto ou serviço que necessite.

Ao invés de você visar somente o lucro, vise e foque mais na satisfação de seu cliente. Você só existe enquanto empresa se houver um cliente disposto a comprar seu produto ou serviço. Ponto! Não há como discutir essa realidade. Mas há empresas e profissionais, que ignoram solenemente essa máxima.

Duas dicas:

1a.) Aprenda a selecionar gente com vontade e não com obrigação de trabalhar, com entusiasmo e brilho nos olhos. Gente com atitude, mais do que habilidades, que tenham prazer nato em servir, que possam ser ensinadas a qualquer tempo. Selecione e contrate devagar, buscando qualidade a partir da quantidade. Mas demita rápido, tão logo seja preciso, aqueles que não se adequarem aos novos planos e metas da organização.

2a.) Treine o tempo todo. Prepare sua equipe treinando-os continuamente. A tarefa é desenvolver competências técnicas, comportamentais, relacionais e até valorativas. Ou seja, se você busca resultados com qualidade em seu negócio, nada de pechinchar. Invista no que há de melhor.  Você pode e deve economizar em qualquer coisa, menos em QUALIDADE. Principalmente quando se refere ao seu capital humano.

cliente hoje em dia, está cada vez mais buscando um atendimento e relacionamento mais qualitativo que quantitativo. Afinal, a qualidade irá proporcionar oportunidade de quantidade com os retornos deste cliente e daqueles que forem indicados por ele. Na realidade ele pode e deve se tornar o seu melhor vendedor e propagandista.

Acredite! Um atendimento mal feito ou mesmo uma informação dada incorretamente pode desestruturar uma empresa que levou anos para se consolidar no mercado. Isso porque a força do chamado boca a boca tem tanto poder para construir marcas como para destruí-las. Pena que muitos empresários, dirigentes e pessoas com cargos de chefia não estão nem ai para isso que está sendo abordado.

Segundo uma pesquisa, de todos os tipos de mau atendimento citados anteriormente que causa uma profunda insatisfação às pessoas, é a INDIFERENÇA, ou seja, uma postura de descaso, falta de atenção e a falta de interesse em servir bem e a falta de cortesia entre outros...

A indiferença acaba trazendo uma sensação de desconforto para esses
clientes, e isso consequentemente afasta qualquer possibilidade de fidelização. Na realidade o atendimento é um serviço perecível que precisa ser monitorado e realimentado todo dia.

Quer prestar um bom atendimento a seu cliente? Então, esqueça mimos e supérfluos. Basta sair da bajulação e hipocrisia, e resolver seu problema. Pois um bom atendimento não é sorrir para o cliente, mas conseguir que ele sorria para você.

Os Clientes podem não se lembrar o que você fez ou disse, mas com toda certeza sempre lembrarão de como se sentiram em função de seu atendimento. Na verdade, o bom atendimento e até o atendimento de excelência não é aquilo que pensamos ser, e sim o que o cliente diz que é.

Hoje não existe mais espaço para ações amadoras – Independentemente da situação no mercado, as empresas que investirem na capacitação e qualificação de seus colaboradores e focarem cada vez mais o quesito excelência no atendimento como objetivo e sua maior responsabilidade, irão se diferenciar no mercado, manter uma maior quantidade de clientes e prospectar muito mais facilmente novos clientes.

Todos os dias devemos estar estimulados a ofertar algo acima do limite de nossas obrigações, no sentido de transferir benefícios a outra pessoa referente ao que fazemos e oferecemos. Por outro lado, não adianta somente ser agradável e simpático, temos que estar preparados e bem treinados para desenvolvermos um atendimento de qualidade.

Lembre-se: Atender bem é servir com prazer e entusiasmo. É surpreender e superar as expectativas. Na realidade, atender bem é uma questão de atitude, educação e obrigação. Atendimento - Não é possível toca-lo ou vê-lo, mas podemos senti-lo. Que tal um check list? Posicione-se!!!

NOTA: O atendimento perfeito faz parte de um ciclo que não pode ser quebrado em hipótese alguma. Acomodar por acreditar que a marca, o produto ou o serviço é bom, é dar motivos para perder bons clientes e bons negócios. Se a marca, o produto ou serviço são bons, há ainda mais motivos para agregar valor através de um excelente atendimento aproximando cada vez mais o cliente, tentando mantê-lo e ainda fazer desses seus melhores vendedores e propagandistas no mercado.





LEIA O ARTIGO COMPLETO

PROFISSIONAIS e “profissionais”. Quais as diferenças???

Fala-se muito ultimamente em solidariedade, cooperação, colaboração e união, mas ainda sim encontramos em muitas empresas com bastante frequência um clima de conflitos, intrigas, invejas, fofocas e desunião. Fala-se muito, mas poucos praticam. É claro que isso tudo acaba prejudicando o ambiente de trabalho e consequentemente a produtividade da organização.
Aparentemente parecem todo iguais, mas o que vai realmente determinar um profissional de outro são as atitudes comportamentais e o caráter de cada um.

Na vida profissional e empresarial existem PROFISSIONAIS e “profissionais”, ou seja, os falsos profissionais (profissionais genéricos). Existem os comprometidos que se dedicam e se doam em tudo o que se propõem a fazer, e por consequência alcançam os bons resultados, e os que nada fazem, mas querem que o resultado apareça de qualquer maneira.

Devido a crise existente que acaba gerando uma concorrência cada vez mais acirrada, está se tornando comum, encontrarmos pessoas qualificadas ou não (jovens, adultas, estudantes, profissionais), dispostas, sem nenhum pudor, escrúpulo e decência, a passar por cima das demais como rolo compressor, rumo aos próprios objetivos. Para elas, não existe relacionamento pessoal que esteja à altura das metas que traçaram. De um lado estão os objetivos de uma pessoa e de outro lado, raramente a importância de seu relacionamento com os demais.

Esses "profissionais", quando não estão murmurando ou se lamentando, principalmente de seu serviço, dos outros, de seus superiores e da própria empresa, costumam querer obter o resultado esperado através da bajulação, através de boatos, traições e intrigas, ou seja, tudo que propõem é tentar derrubar o outro, a qualquer custo.

Podemos dizer que, no mundo dos negócios, esses pobres de espírito de plantão se tornam especialistas em prejudicar qualquer um que não compactue com suas ideias ou pelo menos tentam de todas as maneiras contaminar aqueles que se mantém por algum momento numa posição neutra. Esses pobres de espírito também tentam de todas as maneiras aparecer, através de falhas e erros dos colegas.

Na verdade, esses fazem questão de não fazerem outra coisa, a não ser farejar, encontrar e apontar tais falhas e erros dos outros. E o pior, geralmente não apresentam soluções alguma.

Os verdadeiros PROFISSIONAIS sabem que é preciso perceber que o inimigo real, ou seja, a concorrência está lá fora. Um depende do outro para que a equipe e consequentemente a empresa como um todo atinja seus objetivos.

Esses PROFISSIONAIS sabem também, se quiserem obter sucesso no atendimento ao cliente e vencer os desafios do mercado, a relação e integração entre cada um, bem como, equipes, áreas, departamentos e/ou setores de qualquer empresa são fundamentais. Eles sabem que todos têm que estar muito bem integrados e verdadeiramente comprometidos com o mesmo propósito.

Consciente de que o maior bem que uma organização possui são os bons profissionais que a compõem, os verdadeiros colaboradores. A liderança tem que estar atenta, ser inteligente e ter a percepção, identificando esses falsos profissionais, se necessário demitindo-os, para não deixar que esses ganhem força, e, por conseguinte, prejudiquem o ambiente de trabalho e a produtividade da organização.

Lembre-se: Construir uma carreira de sucesso, depende não só de conhecimento e competência técnica e operacional, mas também de saber se comportar no ambiente de trabalho e construir bons relacionamentos. Essa é uma das grandes diferenças entre o verdadeiro PROFISSIONAL e os demais "profissionais". Reflita e pratique!!!

UMA DICA PARA O RH : Para você não ter prejuízo e decepção, no momento da contratação adicione os itens caráter e ética na relação de talento e habilidade.

NOTA: ÉTICA é o que você faz quando tem alguém por perto. Já o que você faz quando não tem ninguém por perto chama-se CARÁTER.
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Conhecendo o Perfil Comportamental e o Potencial de sua Equipe

Sabemos que as pessoas são bem diferentes uma das outras. Ou seja, onde existem pessoas, precisamos saber lidar com suas esperanças, emoções, apelos, expectativas, desejos, alegrias,  necessidades, motivações, desmotivações, tristezas, aborrecimentos, constrangimentos, ansiedades, raivas, passividades, interesses, falta de interesse, agressividades, medos, hostilidades, frustrações, egos, enfim, a lista de emoções continua… E também, precisamos saber lidar muito bem, com honestidade, justiça, verdade, poder, ordem, inteligência, humor, falsidade, engano, fraqueza, transparência, integridade, e mais… senso de valores pessoais positivos e negativos.

Um dos maiores desafios dos gestores diante desse quadro de crise, estão também relacionados às diferenças de expectativas de cada colaborador, dificuldades de comunicação e a cultura da própria empresa. Pois, para inspirar a equipe, em primeiro lugar, é preciso gostar de pessoas e saber lidar muito bem com o tipo de perfil de cada uma delas.

Então procure respeitar as individualidades de cada colaborador, acompanhar e ver as dificuldades de forma positiva, mas sem deixar os erros de lado. Um Líder facilitador, multiplicador e inspirador é aquele que busca o melhor para a sua equipe, que ouve cada colaborador e reconhece as suas individualidades.

Apenas uma observação: Não confunda a quantidade de tempo que você dedica a um funcionário com a qualidade dele (desse tempo). É preciso estar realmente presente e demonstrar interesse. Fale menos, ouça mais e tente entender o que cada um precisa. É o que rotulamos de: 'FALA QUE EU TE ESCUTO'.

Portanto, em um ambiente tão competitivo como é o corporativo, em que detalhes diferenciam uma pessoa da outra, o conhecimento comportamental e o potencial de cada um dos colaboradores pode e deve ser observado e acompanhado pela liderança. Da contratação à demissão. Essa pratica auxilia nas decisões, resultados e consequentemente o fortalecimento da liderança, bem como o da empresa como um todo.

>> ALGUMAS RAZÕES para a liderança conhecer cada vez mais não só o perfil comportamental, mas também o potencial de cada um de sua equipe:

> Gestores que conhecem o perfil comportamental, bem como o potencial da sua equipe conseguem extrair melhores resultados;

> As equipes apresentam melhor clima organizacional;

> Gestores que tem conhecimento comportamental e também o potencial de suas equipes aumentam a sua habilidade para gerir pessoas, não decidem às escuras;

> Líderes que conhecem o perfil comportamental e o potencial dos seus colaboradores podem oferecer Feedback mais objetivo e assertivo;

> Gestores que tem esses conhecimentos de suas equipes demitem menos do que os que não conhecem.

Na verdade, um "Líder" que não conhece bem a sua própria equipe adota sempre as mesmas estratégias com todos os membros da equipe, sendo essa muitas vezes uma das principais causas de desmotivação, descontentamento e conflitos. São os chamados de 'GESTORES GAIVOTAS', aqueles que apenas interagem com os funcionários quando há um incêndio para apagar.

Cada um é cada um - Não existem soluções milagrosas para a equipe como um todo. Para pensar em estratégias, é preciso respeitar a individualidade, os apelos, o estilo e a maturidade profissional de cada colaborador.

Enfim, a liderança é sem duvida uma construção de confiança. Saber quem são as pessoas da equipe, o que elas gostam e sonham para a vida é uma forma de demonstrar que elas são especiais. Isso abre caminhos para a construção de um relacionamento duradouro e de confiança. Isso também faz parte de uma das obrigações da boa e verdadeira Liderança.

Lembre-se: O atual momento do país provoca uma sensação geral de insegurança em relação à vida profissional. Para um Líder, isso não é diferente, pois ele também está sob pressão e ainda precisa “segurar as pontas”. Este é o momento dos gestores usarem a inteligência, bem como o equilíbrio emocional para incentivar e motivar ainda mais a equipe. Reflita e pratique!!!

NOTA: Como o clipe exposto recentemente em 19/04 pela Revista Exame, que pergunta: Você conhece bem seus funcionários - não apenas seus interesses e hobbies, mas também qual o potencial de cada um deles?

Para ler a matéria, acessar o link abaixo:
http://exame.abril.com.br/videos/dicas-para-empreendedores/por-que-voce-deveria-conhecer-melhor-seus-funcionarios/
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Estou Subindo ou Descendo? Invista em Você Mesmo. Você é a sua Melhor Marca!!!

Queira ou não "somos uma mercadoria”, temos qualidade e valor e devemos estar sempre que possível nos aperfeiçoando, nos reciclando, investindo em nós mesmos, tentando cada vez mais superar as exigências do mercado e principalmente saber promover, ou seja, divulgar quem somos, nossa qualidade, nosso valor, nosso diferencial em relação aos "concorrentes", o que temos e o que podemos oferecer. “Antes de tudo, você se vende”. Pois a primeira impressão é a que sempre acaba ficando para as pessoas.

Todo o cuidado com a imagem que você passa para as pessoas principalmente hoje em dia, é fundamental . Sua postura, aparência, uma simples palavra, fraca entonação de voz, um simples gesto, um procedimento, uma simples atitude ou até mesmo um comentário qualquer, pode alem de comprometê-lo(a), refletir positiva ou negativamente para sempre em sua vida profissional. Tome muito cuidado para não se vulgarizar. Em um mundo tão competitivo, a necessidade de estar na vitrine, de ser visto e percebido, é permanente.

O profissional em geral que deseja alçar vôo em sua carreira, alem de investir cada vez mais em si mesmo, busca melhoria continua. Por isso, nunca deixe de investir no conhecimento. Participe de cursos, treinamentos, workshop, seminários. Organize estudos, assine revistas e mantenha-se informado de todos os assuntos concernentes a sua profissão e principalmente em relação a tendências do mercado. Numa época dessa conhecimento vale ouro. Quem tem conhecimento tem PODER. 

Treinar custa caro. Logo, as empresas entendem que não é o momento de gastar recursos treinando alguém. O problema é que, quando a crise passar, a empresa estará com uma mão de obra desatualizada e provavelmente envelhecida. O ideal seria seguir treinando trabalhadores para, lá na frente, ter gente com conhecimentos oxigenados. Então, não fique esperando, invita em você mesmo

A crise econômica no Brasil tem aos poucos aumentado o nível de desemprego. Especialistas são unânimes ao afirmar que a tendência é que a taxa de desemprego aumente ao longo do ano de 2016. Diante de tal cenário ficam as perguntas: "- Como tentar defender meu emprego?"; "- Como evitar uma possível demissão em um eventual corte de gastos por parte da empresa?". Pois na hora de cortar gastos, as empresas demitem os funcionários mais acomodados, desatualizados e/ou com baixo poder de inovação.

Por outro lado, em momentos de crise, as empresas buscam funcionários inovadores e atualizados, dispostos a utilizar novas técnicas para melhorar os resultados. Funcionários que estudam, se reciclam e estão atualizados mostram ser os mais aptos a ajudar as empresas a contornar este momento de crise, portanto são os que conseguem defender seus empregos em tempos de crise.

É bom ressaltar também que, fora toda essa problemática de crise, vivemos em uma economia competitiva, interconectada, que muda rapidamente. Então, tenha muita vontade de crescer e aprender cada vez mais. Lembre-se, que todo dia é uma oportunidade de começarmos de novo, com a vantagem de usarmos toda a experiência que tivemos até o dia anterior.

Nós somos um produto de muito valor. E o que quero dizer com isso? Assim como mercadorias e serviços, as nossas competências e as habilidades que possuímos são os nossos melhores talentos.

Conheço muita gente que fica esperando que a empresa ou que outras pessoas lhes forneçam os meios e recursos para que aprendam mais, para que cresçam mais. Isso é um grande erro. Por este motivo, mais uma vez, insisto em dizer: Invista em você mesmo. Esta é uma responsabilidade e um dever somente seu. Pois ninguém investe em pessoas que não investem em si próprias em primeiro lugar. Por menos recursos que tenhamos, é preciso que disponibilizemos dinheiro, tempo e energia para nos aperfeiçoarmos. Você pode e deve economizar em qualquer coisa, menos na qualidade e investimentos, principalmente quando se refere a você mesmo.

Pergunte a si próprio: "- Estou subindo ou descendo?"; "- Tenho investido o bastante em mim mesmo?"; "- Acredito que valha a pena investir em mim?"; "- Tenho me aperfeiçoado profissionalmente, por minha própria conta?"; "- Busco constantemente esse aperfeiçoamento?"; "- Estou acomodado?".

Na verdade, hoje em dia para ser ultrapassado ou atropelado, não precisa ficar parado e sim manter o mesmo ritmo. Ou seja, invista em você mesmo, pois quem para de crescer, já começou a retroceder.

Lembre-se: Quem não investe em si próprio perde o direito de reclamar dos outros não investirem em sua pessoa. Geralmente temos a péssima mania de culpar, pelo nosso fracasso, as circunstancias, nossa empresa e tudo mais. Não fique reclamando, murmurando, se lamentando e esperando alguém fazer alguma coisa por você. Tome a iniciativa. Pois quem deve investir em você é você mesmo. Seus anseios de uma possível promoção, bem como, sua sobrevivência ou até mesmo sua permanência no mercado de trabalho depende exclusivamente de uma pessoa – VOCÊ. Reflita e pratique!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Gerente Genérico. Isso Hoje Já Era!!!

Hoje, quem não tem competência para liderar uma equipe com eficiência e eficácia, alem de colocar tudo a perder, tem poucas chances de crescer e até mesmo de permanecer no emprego e no mercado. No cenário atual, diante desse quadro econômico tremendamente recessivo, não há mais espaço para 'GERENTES GENÉRICOS', gerentes medianos e/ou gerentes de baixa performance. Ou seja, não adianta culpar somente a crise, nem tão pouco mascarar suas atitudes e comportamentos. Ou você é de fato um Gerente Líder ou está simplesmente como gerente através de seu cargo. Em outras palavras, ou você é um Gerente de Marca,
ou está totalmente fora do contexto.
      
Muitas vezes a estagnação das vendas, a grande rotatividade (turnover), a perda de atendentes, vendedores e funcionários talentosos, problemas até mesmo como de furto e tantos outros que acabam se transformando em onerosos processos trabalhista, devem-se a baixa performance dos que “comandam” as equipes. Isso acontece com frequência, por varias razões, entre elas a falta de preparo e o acomodamento em seus “cargos de chefia”, mesmo diante desse quadro econômico.

Hoje no varejo, o alvo mais do que nunca, é sem duvida, a melhoria contínua das equipes, baixar custos e aumentar cada vez mais a rentabilidade para enfrentar e manter-se nesse mercado recessivo e ao mesmo tempo, competitivo e acirrado. Para isso, torna-se cada vez mais necessário, aqueles que lideram, estarem capacitados e preparados para o dia a dia. Caso contrário, cenas iguais ou piores a esta, serão mais e mais frequentes. Pois o desinteresse e a falta de estimulo acabam contaminando toda equipe, colocando em risco a produtividade e os resultados esperados.

Lamentavelmente muitos gerentes ainda têm o perfil de “chefe”. Gastam praticamente todo seu precioso tempo se preocupando somente no operacional, em saber se o pessoal vai chegar no horário, se a arrumação da loja está OK, se o caixa foi fechado corretamente e outras coisas do tipo.

A função de gerente nunca foi tão exigida como é hoje -  Na verdade, em momentos como esse que estamos vivenciando, espera-se muito mais hoje em dia daqueles que ocupam cargos de chefia. Espera-se que esses venham nos surpreender através de atitudes inovadoras e que consigam, independentemente das circunstancias e adversidades, estimular e contagiar cada vez mais suas equipes e o próprio público. Afinal, como sempre falamos: Liderar hoje em dia é mais cérebro do que músculo. Ou seja, não basta somente dar ordens. É preciso motivar e inspirar a equipe. Pois líderes existem para mover as pessoas para um resultado futuro desejado.

Gerenciar uma equipe é muito mais do que simplesmente dar ordens, apontar o dedo, mandar fazer. Gerenciar na realidade é motivar e estimular constantemente. É quando você dá e mostra aos seus comandados, mesmo diante de crises e das adversidades do dia a dia, os verdadeiros motivos e causas para se firmar num determinado trabalho, objetivando alcançar resultado e metas estabelecidas.

Muitos chefes que se dizem gestores e/ou líderes, os quais costumo denominá-los de 'GENÉRICOS', olham mais, ou somente para os defeitos. Esses se deparam, achando que nada de bom pode vir daquele liderado.

Achar que os colaboradores devem se adaptar ao estilo do líder é um erro muito comum. O líder eficaz é aquele que conhece os pontos fortes e fracos de cada membro de seu timeAssim, aloca-os nas funções que melhor desempenham e cuida para que desenvolvam seus pontos fracos.

Muitas empresas ainda cometem um erro primário na escolha de seus gerentes. É brincadeira o que se ver por aí! Na verdade, vejo ainda muitos equívocos nas empresas que promovem, sem nenhum treinamento específico, o melhor vendedor a gerente. Não que isso não possa acontecer, mas em muitos casos PERDE-SE O MELHOR VENDEDOR E SE GANHA O PIOR GERENTE. Pois são duas funções distintas. Uma realiza e outra motiva e inspirar outros a realizar.

Por este motivo, que na maioria das vezes, gerentes sem preparo algum são chamados e reconhecidos como 'gerentes gaivotas', aqueles que apenas interagem com seus funcionários quando há um incêndio para apagar.

Podemos dizer também que gerenciar é igual a Construção de Confiança. Ou seja,saber quem são as pessoas da equipe, o que elas gostam e sonham para a vida é uma forma de demonstrar que elas são especiais. Isso abre caminhos para a construção de um relacionamento duradouro e de confiança. Isso também faz parte de uma das obrigações de um Gerente Líder, principalmente na atual conjuntura.

Como já falamos, devido a crise e consequentemente a diminuição no consumo, as exigências do mercado em relação a um Gerente Líder são cada vez maiores. Possuir credibilidade, por exemplo, junto a seus liderados passou a ser fator imprescindível e de alta relevância, e muito difícil de ser conquistado.

Como líder, o gerente é quem direciona o trabalho. É comum associar sua personalidade com o estilo da loja e das pessoas com as quais trabalha. 'Gerente bom, loja e equipe excelentes.  Gerente médio ou regular, tudo beira à mediocridade, vendas, resultados, futuro e etc...'.

Como sabemos, o gerente é responsável pelo clima motivacional da loja, cujas atitudes refletem no comportamento da equipe. Ninguém produz com satisfação se não estiver consciente da importância do que faz e comprometido com a causa da empresa. Mas para isso, você gerente, precisa cada vez mais ser treinado e capacitado pela empresa.

Você pode ser até muito bom tecnicamente e operacionalmente, mas de nada adianta você ter um cargo de chefia se não souber liderar, ou seja, influenciar, motivar e estimular as pessoas com quem trabalha. Muitas pessoas exercem liderança, influenciando os outros, mesmo não sendo chefe.

Parece não haver nenhuma dúvida de que o Gerente de Vendas é pessoa chave numa empresa. As suas funções são tão múltiplas e importantes que todas as empresas buscam, com todo o empenho, encontrar o profissional ideal para esse cargo.

Enfim, uma das coisas mais perigosas hoje em dia no varejo é o gerente despreparado. Continuo observando que uma grande parte daqueles que estão a frente das equipes tem baixíssimo nível de leitura e pouca predisposição para aumentar seus conhecimentos (não gostam de ler – alegam que nunca tem tempo). Não podemos nunca esquecer, que para podermos ensinar é fundamental que nos preparemos antes.

Lembre-se: Com ou sem crise, nas adversidades ou não, para conquistar o sorriso e a satisfação de nossos clientes, precisamos primeiramente ganhar tudo isso de nossos colaboradores. Aqueles que fazem parte de nossa equipe. Reflita e pratique!!!


Acesse o link abaixo para ler também - Um NÃO ao Vendedor Genérico:

http://www.artedevender.com.br/2015/02/a-arte-de-atender-e-vender-um-nao-ao-vendedor-generico.html



LEIA O ARTIGO COMPLETO