A Ordem agora é Garimpar, Prospectar Clientes

A missão agora é PROSPECTAR CLIENTES, ou seja, “Garimpar Clientes”.
Mais do que nunca, independente do porte da organização e seu segmento, essa é atual e possivelmente a mais imprescindível tarefa de um Profissional de Vendas. Muito treinamento, disposição e criatividade. Está na hora de sair do marasmo. Pois em tempos de crise, não perca esse tempo que é precioso, não seja desleixado para conseguir novos clientes.

São raras as situações de clientes que nos procuram. Nesses casos, não podemos dizer que houve uma prospecção direta por parte do vendedor, uma vez que, na verdade, ele é que foi procurado e achado pelo consumidor. É lógico que não podemos deixar de considerar que várias iniciativas tomadas pela empresa podem despertar a atenção e o interesse do cliente. Mas aí isso não será mérito do vendedor.

Existem ainda aqueles que “tiram pedidos” e acham que são grandes vendedores. Se o cliente te liga, agenda uma visita, pede informações, e decide comprar sem objeções, não foi você que vendeu, mas ele que comprou.

Pois bem, para equilibrar a perda de clientes durante uma crise econômica é necessário prospectar, GARIMPAR clientes. Ficar apenas aguardando o cliente ligar ou bater em sua porta hoje em dia não tem sentido.

No início, todo vendedor (os novatos) sofre para conseguir clientes. Normalmente, no mundo corporativo, a empresa oferece uma base de consumidores inativos ou leads (indicações). Mas o maior desafio mesmo, é qualificar ou reativar esses contatos, de forma que se tornem clientes em potencial.

Grande parte do sucesso a ser alcançado está na atitude das pessoas. É importante uma mudança de atitude, comprometimento e estar determinado que "COM OU SEM CRISE, VOU VENDER”. Esse tem quer ser o pensamento inicial hoje em dia de um Profissional de Vendas. 

Crie o seu roteiro de prospecção, arrume sua pasta e comece a ligar e visitar os clientes. Não tem como: Quanto mais se prospecta, mais se vende. Acredite!.

Prospecção de Clientes é uma espécie de mola mestre para as empresas, ou seja, um dos maiores desafios de qualquer vendedor hoje em dia é prospectar novos clientes de maneira eficiente.

A palavra ‘prospectar’ vem de fazer pesquisas numa mina ou jazida de minérios para determinar seu valor. Para o Profissional de Vendas, é o processo organizado e estruturado de buscar novos clientes para comprar os produtos e/ou serviços que sua empresa vende.

Prospectar é fundamental para qualquer empresa que quer crescer. Afinal de contas, não existe coisa mais triste em vendas do que ter um bom produto ou serviço, um preço competitivo e a maioria dos seus potenciais clientes nem saber que você existe.

A prospecção de clientes identifica clientes potenciais, e deveria ser uma atividade ininterrupta e contínua dentro de cada empresa, de forma a sobreviver perante os desafios do mercado atual como a forte concorrência

Prospectar clientes não é um bicho de sete cabeças, porém sua equipe de 'prospectadores' precisa estar preparada e capacitada para convencer o cliente de que sua empresa tem a solução que ele procura.

Há quem pense que a Prospecção Corporativa é algo simples e fácil de fazer, ainda mais quando, além do telefone, esta atividade, hoje, conta com o auxílio da internet e suas vantagens. Porém se engana quem pensa assim!

A prospecção de clientes exige das empresas que tenham uma equipe de profissionais devidamente capacitados e treinados para colocá-la em prática. Esses profissionais precisam saber estrategicamente como fazer o seu discurso para convencer o cliente de que pode oferecer a solução que ele precisa, sem comprometer a oportunidade de negócio logo no primeiro contato com o cliente.

Comportamento - O vendedor campeão continua exercendo sua profissão mesmo fora da loja, de seu local de trabalho. Logo, em reuniões sociais ou familiares, com amigos ou parentes, ele não deixa de promover seu negócio, produtos ou serviços. Assim, em conversas informais, cria oportunidades de identificar pessoas que podem ser seus clientes em potencial, os prospects. Resumindo: independentemente do momento, da hora ou lugar, VENDA SEMPRE!

No caso de uma loja, quando o movimento está fraco, ou trabalhando em um escritório, quando não temos carteira ativa de clientes comprando, o negócio é ir à luta, sair do marasmo e começar a prospectar, passar a maior parte do tempo disponível para o relacionamento, para o atendimento, e caprichar na comunicação inicial que desperte interesse daqueles que estão sendo contatados.

==> ALGUMAS DICAS para construir carteira de clientes e comunicar-se bem no início do atendimento e consequentemente da venda:

- Prepare-se para “garimpar” contatos: Qualificação é essencial e isso se faz por telefone ou no primeiro contato pessoal: "quem, como, onde, quando, quanto", são perguntas abertas e necessárias para entrevistar um cliente;

- Evite o prejulgamento: Quando o cliente lhe diz algo que pressupõe uma necessidade, espere um pouco e resista à suposição. Tem vendedor que gosta de dizer “O senhor(a) não precisa me falar mais nada, pois eu já sei o que precisa!”. Isso é um grave erro, pois você está sendo precipitado;

- Crie necessidades onde não existe e AGREGUE VALOR: Quando o cliente não vem a você ou não está na lista de leads da empresa em que você atua, vá a luta, tenha um bom discurso, orientado a ganhos e benefícios para este potencial cliente;

- Tenha paciência, determinação e persistência: Vendedores precisam ter noção de que a cada 10 contatos, apenas 2 ou 3 se interessam inicialmente. Isso é uma média de mercado.

Enfim, o sucesso de toda organização na atual conjuntura depende fundamentalmente de uma equipe de vendas bem capacitada e organizada, e com um plano de prospecção de clientes bem estruturado. Improvisações e confiança em excesso podem causar atraso ou perda de negócios.­ Por isso, antes de sair procurando clientes, é preciso organizar o processo.

O planejamento de vendas nesta etapa é tão importante quanto concluir uma venda. É essencial separar um tempo da rotina diária para preparar a prospecção e não deixar de cumpri-lo.

Prospectar também significa veicular e divulgar o nome de sua empresa, sua marca. Quanto mais sua empresa fica conhecida, mais fácil é fixar o nome e vender o produto e/ou serviço, pois as pessoas preferem fazer negócios com organizações e marcas conhecidas.

Lembre-se: A missão agora é PROSPECTAR, sair GARIMPANDO CLIENTES. Se você depende de vendas para sobreviver, não pode, de jeito algum, se dar ao luxo de ficar esperando um milagre ou alguma coisa acontecer sem planejamento. Ou você começa a colocar tudo isso em pratica ou corre o grande risco de perder seu emprego. Caso isso venha acontecer, de uma maneira ou de outra, você irá garimpar o que também não está nada fácil de encontrar hoje em dia. EMPREGO. Reflita e pratique!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

A Importância e o Poder da Empatia no Processo da Venda

Você sabe que a EMPATIA é uma poderosíssima arma utilizada no processo da venda? Pois ela tem o poder, principalmente na atual conjuntura, para atender melhor e até mesmo conquistar qualquer tipo de cliente. Empatia é o dom de se colocar no lugar do outro para melhor atendê-lo. A primeira coisa a pensar é no tipo de cliente que você é. Quais são suas exigências habituais e o que é realmente importante quando você está na pele do consumidor. Não importa o que você esteja vendendo, nem tão pouco o tipo de seu estabelecimento, a EMPATIA tem que ser protagonista em todas as etapas da venda. Inclusive pela Liderança. EMPATIA gera EMPATIA!!!

Essa palavra (EMPATIA) que vem sendo difundida há algum tempo significa que quem é empático tem a sensibilidade de se colocar no lugar do outro e sabe a forma correta de agir perante as circunstâncias. Muitos até conhecem o seu significado, mas, desconhecem que seu uso diário é imprescindível.

Pesquisas de mercado apontam que nos dias atuais as empresas ainda perdem negócios por falta de comunicação com clientes. Mais que o estreitamento de relacionamento e o entendimento de suas necessidades, a empatia torna-se atualmente cada vez mais um diferencial competitivo e aditivo de vendas.

No dia-a-dia deparamo-nos com inúmeros exemplos de intolerância, individualismo e egocentrismo. Hoje mais do que nunca saber se relacionar uns com os outros é uma arte. E poucas pessoas conseguem desenvolver esse dom de maneira empática. Mas o que é empatia, de fato? Fala-se tanto neste termo ultimamente.

Empatia é o dom de se colocar no lugar do outro para melhor atendê-lo, conhecê-lo ou servi-lo. Para entender o próximo é preciso, primeiramente, aprender a conhecer a si mesmo.

Infelizmente, percebo que a maioria das pessoas ou desconhecem o valor deste sentimento ou se já conhecem não o coloca em prática. É perceptível não detectá-la nas pessoas que não olham nos olhos, que não sorriem ao verem um conhecido, que não dão um aperto de mão firme, que não sabem ouvir, que não respondem a uma mensagem ou ligação e não se preocupa com o outro.

As pessoas se sentem bem quando são bem tratadas (Líderes, liderados e clientes internos e externos). Um pouco de atenção faz toda a diferença nos relacionamentos. É por essa razão que algumas delas são mais queridas do que outras. Elas apenas utilizam estes detalhes simples e os colocam em prática.

Alguns profissionais são simpáticos; outros são antipáticos. Isso é normal. Empatia profissional, porém, é outra coisa. Quando aliada ao conhecimento e à competência, a empatia profissional proporciona resultados incríveis.

Atualmente, o mercado exige mais do que um diploma, qualificações pessoais e profissionais, experiência profissional, pós-graduação...... Cada vez mais exige-se traquejo no que diz respeito à arte de se relacionar com o próximo.

Como anda sua empatia? Como anda a sua capacidade de se colocar no lugar do outro?

Em primeiro, procure usar de EMPATIA. É bem mais eficiente do que a simpatia excessiva. Essa é uma das principais armas para um relacionamento de nível e consequentemente um atendimento diferenciado. Comece encarando o atendimento com EMPATIA como um diferencial da concorrência.

Todo relacionamento começa com um olhar.

Colocar-se na mesma perspectiva de seu cliente é o primeiro passo para pensar em um relacionamento de longo prazo, duradouro e sustentável. Você vai perceber que, quando aprender a colocar-se na perspectiva do cliente, vai saber como conquistá-lo em cada etapa da venda e pós venda.

Como já falamos, empatia é o dom de se colocar no lugar do outro para melhor atendê-lo.  Então, a primeira coisa a pensar é no tipo de cliente que você é. Quais são suas exigências habituais e o que é realmente importante quando você está na pele do consumidor?

Não confunda simpatia com EMPATIA. Ou seja, não se envolva emocionalmente com o seu cliente. Simpatia excessiva pode fazer com que todo seu esforço de venda caia por terra.

A primeira coisa a pensar é no tipo de cliente que você é. Quais são suas exigências habituais e o que é realmente importante quando você está na pele do consumidor?

- Que tipo de atendimento você gostaria de receber? - De que maneira você gostaria de ser abordado ou recepcionado?

- O que realmente o incomodaria ou deixaria constrangido? De que forma não suportaria ser tratado?

- Que situação lhe seria tão desagradável a ponto de fazê-lo abrir mão de um determinado produto ou serviço?

Indagações como estas (- Como você se sentiria? e/ou - O que você gostaria de receber?) são de extrema importância para a construção de um relacionamento e um perfeito atendimento.

Surpreenda, encante, faça do seu cliente alguém muito especial, use a sua criatividade, e principalmente coloque-se no lugar dele. Use de EMPATIA.

Sejam gentis, educados, inteligentes! Ultrapasse tudo que o cliente esperava encontrar! Encante-o! Faça-o sorrir! Sentir-se a vontade, confiante e seguro. Isso é fazer a diferença. Transforme-o em alguém muito mal acostumado a ponto de não querer ser atendido em nenhum outro lugar!!!

Lembre-se: A verdadeira transformação da nossa comunicação em algo assertivo, capaz de gerar conexão entre as pessoas e compreensão de suas reais necessidades, pode ser alcançada através da prática da empatia. Ou seja, empatia é uma ferramenta de quilate, que agrega valor. Ter ou não tê-la vai fazer muita diferença para a sua carreira. Sucesso profissional é produto de empatia. Conhecimento é importante, mas vem depois. Reflita e pratique!!! 

NOTA: O termo EMPATIA deriva da palavra grega EMPATHÉIA, que significa entrar no sentimento.Empatia também pode ser descrita como o estado de espírito no qual uma pessoa se identifica com outra, Dessa forma, a EMPATIA torna-se uma poderosa e imprescindível ferramenta na relação com o cliente, bem como no ambiente corporativo, com seus superiores, seus liderados, colegas de trabalhos em geral.

LEIA O ARTIGO COMPLETO

Devo Fazer somente o que Amo ou Aprender Amar e Sentir Prazer no que Faço???

Um dos questionamentos mais presentes na vida das pessoas é: Devo fazer somente o que amo ou aprender amar e sentir prazer no que faço? Se tá difícil fazer o que ama, até porque nem todo mundo vai encontrar algo que realmente ame, o negócio é largar as correntes, cair na real e tentar achar o melhor jeito de amar e a sentir prazer naquilo que faz.

Na vida real, infelizmente, não é bem assim. Trabalho tem responsabilidades, tem prazo, tem pressão, tem desentendimentos, tem stress, tem problemas. E tem o dinheiro, também. Na verdade, nem sempre fazer o que se gosta resultará na compensação financeira desejada. E aí, o que fazer?

Certas pessoas simplesmente não conseguem achar graça no trabalho em que estão. Geralmente elas odeiam cada aspecto da ocupação atual. No entanto, na atual conjuntura, emprego não é algo que se acha muito facilmente e insegurança de estar desempregado é algo pelo qual muitos não querem passar. Portanto, essas pessoas acabam vivendo em um dilema, o que é extremamente desfavorável para a sua vida pessoal e profissional. Parece que a saída mais vantajosa para esse problema é, de alguma forma, aprender a amar o emprego atual. Aprender a sentir prazer pelo que faz.

Muitas pessoas dizem ser felizes porque realizam ou fazem aquilo que mais amam. Para muitas pessoas o mais importante na vida é fazer aquilo que ama, e inegavelmente é maravilhoso, traz satisfação pessoal e até mesmo em algumas situações para outras pessoas. Pois feliz daquele que descobre desde criança qual é o seu talento. Isso que é felicidade! Imagina você ter certeza do que quer ser, ter talento, trabalhar com aquilo e ser bem remunerado para fazer o que gosta. Se você e uma destas poucas pessoas, levante as mãos para o céu, agradeça a DEUS e pare de reclamar da vida porque você ganhou na loteria

Mas nem todas as pessoas conseguem no seu dia a dia realizar aquilo que mais ama ou “deseja”. Algumas pessoas amam o que fazem. Outras esperam desesperadamente o fim do expediente e saem correndo. Então, só lhe resta um consolo, aprender a sentir prazer e amar o que faz. Ou seja, valorizar o que tem!

Quantas pessoas hoje estão em uma área profissional que a princípio não era o seu grande negócio de vida, mas aos poucos percebeu que os caminhos da vida são difíceis e quando não conseguimos fazer o que amamos, temos como amar o que fazemos.

Minha opinião: Eu, pessoalmente, fico com a segunda opção. Acho mais simples e mais fácil de dar certo.

Agora um conselho: Dê valor ao que você tem, onde você está e a si mesmo. Faça e execute tudo com prazer e seja feliz!

Além disso, quando estamos felizes fazendo aquilo que queremos ou não, no caso de vendas por exemplo, nossos clientes percebem, pois toda energia gira em torno disso. E não tem nada que venda mais, do que quando o cliente acredita que compraríamos o produto que oferecemos.

A ideia de que você tem que estar feliz com o trabalho que faz tornar o trabalhador mais produtivo, mais dedicado. Se você é daqueles que acha impossível animar-se com as condições atuais, acredite – jamais sairá dessa situação. Continuará "marcando passo".

Enfim, é muito bonito e encantador fazer somente aquilo que ama, mas no atual momento que estamos atravessando, para a grande maioria dos trabalhadores como você por exemplo, não tem opção. A dica é: “faça o que você ama, ame o que você faz, aprenda a sentir prazer no que você faz". Pois devemos amar o que fazemos para não percebermos que estamos trabalhando. Para, no fim das contas, não ser um trabalho, mas um prazer. O trabalho, por sua vez, deve ser aquilo que nós amamos – devemos fazer o que amamos e amar o que fazemos, a relação deve ser de duas vias. Entretanto, esta dica não é somente um conselho para os trabalhadores, funciona mais como um imperativo.

Há um medo intenso de que fazer algo diferente das aptidões quase naturais possa ser um desperdício de vida e tempo.

Saia da contramão, ande com o cliente e, quando os resultados começarem a aparecer, você verá que um sentimento enorme de satisfação interna vai tomar conta de você e o trabalho vai passar a ser uma fonte de prazer e não um castigo.

Mais uma vez digo que não existe outra opção ou alternativa. Temos que trabalhar sentindo naturalmente prazer no que fazemos, ou aprender a sentir. Caso contrario, enquanto você não sentir prazer pelo que faz, seu trabalho continuará desgastante, cansativo, chato e penoso. E isso, com certeza trará consequências desagradáveis para você.

Se você não consegue trabalhar no que ama, aprenda a amar o trabalho que você tem. Nosso principal trabalho não é aprender a amar, mas desaprender a não gostar do que se faz em termos de trabalho. Antes de dizer que é tudo mau, tente fazer uma lista com todos os pontos bons do emprego em que você está.

Seu emprego atual pode não ser o do seus sonhos, mas é necessário pensar em outros benefícios relacionados ao seu emprego atual. Ir ao trabalho é bem melhor do que passar o seu tempo sem fazer nada em casa, melindrando-se cada vez mais na sua ansiedade e no seu estresse diário. Pense nas coisas que você poderá aprender hoje e nos dias que virão. Pense nos seus amigos do trabalho. Pense nas habilidades que você dominará se continuar no seu trabalho.


Muitas vezes as barreiras que encontramos e as dificuldades fazem parte do crescimento profissional. São nessas situações, nas adversidades que o profissional consegue tomar determinada atitude que possa vir fazer a diferença. E é nesse momento que ocorre o aprendizado e o crescimento na carreira.

Ter tudo isso em mente ajudará você a decidir continuar no seu trabalho. Pois, no final das contas, não existe emprego ideal. Você pode achar um e fazer com que ele seja bom e vantajoso para você. Mesmo que não tenha sido amor à primeira vista ainda pode ama-lo para sempre. Quem sabe?

Lembre-se: Em termos de trabalho, ou você procura fazer o que ama, ou aprende amar e sentir prazer naquilo que você faz. Ficar no meio termo não dá. Na realidade, pensando bem, trabalho não é para amar, é para sustentar tudo aquilo que você ama. Mas caso você ainda, com tudo isso, não consiga de jeito algum amar o que faz, o primeiro passo para se chegar a algum lugar é decidir que você não quer mais ficar onde está. A decisão é sua. Reflita e pratique!!!

NOTA: Existe um ditado que diz: "Encontre um trabalho que ama e você nunca mais trabalhará um dia sequer em sua vida". (Confúcio)
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Procure VALORIZAR o que você tem antes de PERDER

Muitas pessoas só dão valor às coisas, depois que as perdem. Será que aqueles que trabalham sem nenhum prazer, apenas por obrigação, sabem realmente a importância que eles têm para a empresa, seus empregos e suas famílias? Será que sabem a importância de ter um emprego hoje em dia?
Será mesmo???

A grande maioria das pessoas só dá valor às coisas depois que perde. Depois que estão meses sem trabalho, começam a se perguntar por que não deram o melhor de si para aquela empresa, para as suas funções e tarefas, para as pessoas que cruzaram seu caminho, aquelas que de uma maneira ou outra tentavam mostrar o norte, através de conselhos, orientações, conhecimentos, reflexões e outras coisas mais. Por que passavam horas só se lamentando, falando poucas e boas da empresa, de seu trabalho e dos colegas em geral?

O grande problema disso tudo é que muitas vezes, as pessoas estão em determinados trabalhos somente para fazerem o básico ou o necessário, não se esforçam e, constantemente perguntam-se: “-O que adianta fazer mais?. Isso não vai aumentar meu salário mesmo!”O fato é que estão em um trabalho que não gostam. Não amam o que fazem, portanto, por que ser diferente e melhor?

Para que possamos um dia ganhar o que achamos que merecemos e fazermos o que gostamos, temos que, em primeiro lugar, realizar o melhor que pudermos, superarmo-nos na função que estamos desempenhando, por mais que não seja o que sonhamos, para nós, no momento. Porém é o trampolim, um meio necessário para alcançarmos e chegarmos ao que desejamos.

Não podemos desprezar oportunidades. Elas existem, são reais, portanto, vamos tratar de dar o nosso melhor. Isso, a grande maioria das pessoas não entende, não percebe. Ou seja, mesmo diante dessa situação de crise as oportunidades estão ai. É só fazer por onde, garimpá-las, encontrá-las e tomar posse.

Lembre-se: As oportunidades aparecem para aqueles que dão valor para o que tem e estão capacitados e preparados para enxergar até onde poderão ir, agarrando-se com intensidade as possibilidades reais existentes. Mas tudo isso só é possível com honestidade, fé, determinação e atitudes, ou seja, uma mudança de POSTURA. Reflita e pratique!!!


NOTA: Leia também os Artigos com temas similares:

- Dê valor ao que você tem, onde você está e a si mesmo. Faça e execute tudo com paixão e prazer e seja feliz!!!

- Ficar Falando Mal da Empresa Não é Nada Inteligente. Você pode se Arrepender!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Reflexão: EM 2016 VAMOS VENDER

Com ou sem crise em 2016 VAMOS VENDER, transformando aqueles que entram em nossas lojas de curiosos em compradores.

Grande parte do sucesso a ser alcançado, principalmente do profissional de vendas, está como sempre esteve, nas atitudes de cada um. É importante a mudança de postura, haver mais comprometimento e estar determinado, que com ou sem crise é possível até vender mais e com qualidade. Basta estar cada vez mais capacitado, bem treinado e consequentemente preparado, para superar e vencer as frequentes dificuldades do dia a dia. Reflita e pratique!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Inteligência Emocional - Como Lidar Com Emoções Difíceis???

Empregadores escolhem, frequentemente três vezes mais, pessoas com inteligência emocional a pessoas com habilidades técnicas. Por isso, o controle das emoções, autoconsciência e a capacidade de se motivar são temas muito importantes que devem ser considerados. Neste artigo você encontrará uma descrição do que é emoção e 8 técnicas para lidar com emoções difíceis.


Algumas dicas:

1- Nervosismo não te dá acesso a todos recursos.

O nervosismo pode fazer com que você não se lembre de algo durante um exame e você sai dele decepcionado. Ou em uma entrevista de trabalho você treme tanto que cria uma impressão negativa ao seu potencial chefe. Ou tem de ter uma conversa séria com seu parceiro e por alguma razão adia, procrastinando, mas na verdade está fugindo do medo que está sentindo. Ou está numa situação muito comum, quando seu computador deixa de responder, e você, em vez de respirar fundo e usar o botão do lado para desligar e voltar a ligá-lo, bate no teclado, o que não ajuda nem o computador, nem você, nem seu ambiente. Por isso, vale a pena saber como lidar com emoções difíceis, como o nervosismo, que é uma emoção.

2- Emoções e necessidades fisiológicas.

Se estiver com fome, isso não é uma emoção, mas uma sensação fisiológica que faz parte do seu material genético. Você precisa sentir fome para poder satisfazer certas necessidades e para seu corpo sobreviver. Sem fome não teria motivação para comer. Mas, se estiver com fome e por alguma razão não pode comer, seja por falta de tempo ou por você não ter organizado previamente acesso a comida, poderá ficar zangado e frustrado. Frustração é emoção que foi resultado de uma necessidade fisiológica, portanto, você precisa saber distinguir emoções das necessidades fisiológicas.

3- Emoção consiste na interpretação de pensamentos que desencadeiam em reações no corpo.

Emoção é uma reação do corpo ligada a um pensamento. Emoção é fato. Se alguém disser que está sentindo algo, por exemplo, orgulho, tristeza ou desejo, com certeza estará descrevendo algo que é sua experiência. Porém, os pensamentos que causam a existência de uma emoção já não são fatos e podem ser interpretados. Cada emoção depende do impulso que a cria. Se não houver uma interpretação de nossa mente que diga: “Aranhas são perigosas, deve-se ter medo”, “Turbulência causa medo, deve-se ter pensamentos negativos e entrar no medo”, “Ver alguém atrativo causa desejo, deve-se concentrar na maneira de olhar dum certo modo”, “Estar malvestido na presença de outra causa vergonha” etc.., então, em primeiro lugar, não somos capazes de sentir a emoção e, em segundo lugar, mantê-la.

4- Emoções não duram para sempre.

Se souber como acelerar esse processo, terá mais controle sobre ele. Não há boas ou más emoções, porque elas são sempre definidas pelo contexto. Dizer que não sentir medo é bom é um erro cognitivo. Alguém está num jardim zoológico, olha para uma jaula com um leão e se sente seguro. A certa altura, a porta da jaula abre e o leão sai. Obviamente, é aconselhável você sentir medo porque assim fugirá depressa e graças a isso talvez possa se salvar. Se não tiver medo do leão, provavelmente estará mais disposto a fazer algo estúpido ou a não fazer nada ou aproximar-se dele e acariciá-lo – assim, talvez perca a mão.

5- Não há emoções só boas ou só más – o importante são as proporções delas e o contexto em qual são usadas.

Portanto, dizer que medo é mau é errado. Medo é bom em um contexto apropriado, no qual mobiliza, e em uma proporção adequada. Se você for se apresentar em um palco, para apresentar suas capacidades a um certo grupo, então sentir medo do nível, por exemplo, 2 (em uma escala de 1 a 10, onde 1 significa sentir algo e 10 – sentir muito) poderia mobilizá-lo; porém, se o medo ultrapassar 4 ou 5, já para não falar de 6 ou 7, começará a perder o controle sobre seu comportamento. As perguntas relacionadas com o medo são sempre as seguintes: “O que estou sentindo? ”, “Onde é suposto eu aproveitar isto? ”, “Em qual proporção seria mais adequado? ”.

6- Pergunte a si mesmo: onde, quando, quantas emoções quero sentir?

Quando você fizer isso, tente definir e especificar uma maneira apropriada para a emoção que estiver sentindo. Estou sentindo tristeza, remorso, estou sentido desejo, estou sentindo orgulho, estou sentindo vergonha, estou sentindo entusiasmo. Independentemente do fato de aquilo ser algo positivo ou negativo, naquele momento você já está autoconsciente. Autoconsciência de emoções é fundamental porque, se alguém não souber definir suas emoções, não saberá que está lidando com ela naquele momento. Deve-se evitar absolutamente declarações do tipo: “Estou irritado”. Em vez disso é melhor dizer: “Estou sentindo irritação”.

7- Não se identifique com emoções, observe-as.

Se você disser: “Estou irritado”, vai programar a entrada das emoções ao nível da personalidade, ao nível da identidade. Na verdade, você está dizendo que eu = emoção. Isso não é verdade, porque você é seu criador: você a cria, você a produz, e, sendo assim, você a está sentindo. É melhor você dizer: “Estou sentindo medo” em vez de: “Estou com medo”.

8- Só você é responsável por aquilo que está sentindo, mais ninguém.

O segundo elemento é claramente voltar a ter a responsabilidade. Não diga, por exemplo, que o Carlos irritou você. Em vez disso é melhor dizer: “Minha interpretação daquilo que o Carlos tem dito resultou em eu estar sentindo irritação”. Fazendo algo assim, você tomará controle daquilo que sente e não será sujeito das ações de outras pessoas.


Para continuar lendo esse Artigo, acesse:

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/inteligencia-emocional-como-lidar-com-emocoes-dificeis/91199/
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Os Desafios e Dificuldades do Cargo de Liderança. Afinal, Do Que é Feito Um Verdadeiro Líder? PARTE - 2

Para liderar com efetividade uma equipe, a ferramenta mais útil a principio é o diálogo, através da empatia e do feedback. Esta ferramenta é tão poderosa, que pode promover verdadeiros milagres comportamentais. Mais eficiente que punições, demissões, e o envolvimento emocional das “chamada aos brios”.

Gestores preocupados exclusivamente com o curto prazo recorrem sem planejamento a instrumentos adicionais, como oferecer premiações, estimular a competição dentro da equipe, ou simplesmente ameaçar com demissões ou perda de benefícios. Nada garante que estas soluções comuns e imediatas não sejam mais eficientes em sua organização a curto prazo, mas elas, na verdade, não motivam e principalmente nem entusiasmam, apenas empurram o problema para a frente.

Por outro lado também, ser um bom chefe não significa ser o melhor amigo do seu funcionário, mas também não há liderança efetiva se você não conhecer bem cada um de seus liderados. Uma de suas principais funções será justamente a de administrar pessoas e, para isso, é preciso ter um mínimo de interesse em conhecer a sua equipe e as capacidades específicas de cada um, de forma natural.

As atitudes de maus Gestores podem ter um preço de pedágio significativo. Um mau chefe pode causar estresse ao empregado, moral baixo, raiva e problemas de saúde em longo prazo. E todos, por sua vez, podem custar à empresa seja em faltas constantes, aumento da rotatividade e baixa produtividade.

O Líder de uma equipe ou de uma empresa trabalha a motivação das pessoas, em diversas frentes e aspectos. Enquanto um chefe diz vá, um Líder diz vamos lá?. O líder, assim, se incorpora ao corpo da equipe, chamando para si os mesmos desafios e enfrentando as mesmas dificuldades dos colaboradores, deixando-os motivados e estimulados a desempenhar um trabalho de qualidade.

Esse tipo de Líder também não busca culpados, ele assume a responsabilidade junto a sua equipe. Ele se expõe, ele não é frouxo e covarde. Ele comanda e está à frente da equipe e do trabalho. Já o 'falso Líder' que é apenas visto e reconhecido como chefe somente aparece para colher louros ou se esconde atrás dos subordinados quando tem problemas.

Como falamos na Parte-1. A atividade de liderança no geral é de extrema responsabilidade e pode transformar empresas e resultados (para melhor ou para pior), você está lidando com pessoas, sentimentos, relacionamentos, aspirações e em paralelo com objetivos e metas da empresa.

Vender atualmente não está nada fácil. Os obstáculos são muitos: bater metas, alcançar resultados positivos, clientes pedindo descontos impossíveis, concorrência acirrada e ainda manter a motivação da equipe. Então o que fazer diante disso tudo?

Uma boa liderança é uma necessidade para qualquer empresa que está se esforçando para atingir um objetivo, especialmente durante tempos turbulentos e difíceis. Sem uma liderança que seja eficaz, é quase impossível para as empresas crescerem e se expandir quantitativamente e qualitativamente, como é necessário em um mercado em constante mudança.

O que toda empresa precisa de fato é de uma liderança mais participativa, são Lideres facilitadores e multiplicadores. O que chamamos hoje de Líder Coach. Pois uma das maiores habilidades de um verdadeiro Líder é desenvolver habilidades extraordinárias em pessoas comuns.


Lembre-se: O atual momento do país provoca uma sensação geral de insegurança em relação à vida profissional. Para um Líder, isso não é diferente, pois ele também está sob pressão e ainda precisa “segurar as pontas”. Este é o momento de os Gestores usarem a Inteligência Emocional para incentivar e motivar ainda mais a equipe. Reflita e pratique!!!
LEIA O ARTIGO COMPLETO

Os Desafios e Dificuldades do Cargo de Liderança. Afinal, Do Que é Feito Um Verdadeiro Líder? PARTE - 1

Sabemos que fazer pessoas trabalharem é fácil, qualquer feitor de escravos sabe como fazer. Sabemos também que liderar em condições favoráveis, quando tudo está bem, não faltam recursos, seja material e humanos também é muito fácil. O difícil é liderar e extrair bons resultados, quando os recursos são escassos e os problemas são quase que frequentes. Então como persuadir e influenciar positivamente uma equipe em tempos de fortes turbulências? E como motivar e engajar a sua equipe a realizar atividades com qualidade diante de tantas cobranças de seus superiores, desafios e imprevisibilidades do dia a dia?

Lidar com gente, tornou-se a mais Importante das habilidades para um Gestor obter Bons Resultados hoje em dia!!! Isso é o que chamamos de Inteligência Interpessoal. Esse tema "INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL", é o que veremos na mensagem e artigo seguinte.

Um Líder não é definido somente pelas competências que possui. Além de ser inspirador, comunicador, agente de mudanças, administrador e estrategista, é ele quem influencia diretamente no clima organizacional e emocional de sua equipe. É necessário que este tenha o perfil adequado para cada situação do dia a dia para estimulá-los a vencer as frequentes adversidades.

Pra começar, liderança é a habilidade de reverter problemas em soluções, de influenciar pessoas, mesmo diante de adversidades, para trabalharem entusiasticamente de maneira criativa visando atingir os objetivos comuns. Muitas vezes leva as pessoas a fazerem coisas que prefeririam não fazer. Na realidade, um Líder de verdade constrói relacionamentos saudáveis e duradouros regado de transparência e confiança, ou seja, seus liderados os seguem espontaneamente.

Seja você um Supervisor ou Gerente. Gerir uma equipe de atendimento e vendas de uma loja é um constante desafio. Isso porque as pessoas precisam de treinamento, técnicas, ferramentas, estratégias e motivação sempre. É uma pressão muito grande, principalmente hoje em dia, para o Supervisor ou Gerente, que precisa manter a motivação, entusiasmo e os resultados desse pessoal em alta todos os dias.

Hoje muito é falado sobre a motivação que é uma das tarefas mais difíceis de fazer pois temos que convencer as pessoas sobre os motivos que a levam a se motivar, já a desmotivação é feita de maneira mais rápida, eficaz e muito devastadora. Pois uma pessoa desmotivada não tem forças para nada e nem vê saída para melhorar, e acaba contaminando parte ou toda equipe. Agora imagine isso acontecendo com 80% de um equipe inteira, parece brincadeira mas acontece em muitas empresas.

Muitas vezes a desmotivação de uma equipe é o reflexo de uma má gestão. A habilidade de motivar e criar uma equipe mais comprometida é uma das grandes qualidades de um Gestor Líder. Um colaborador não é motivado apenas por dinheiro, mas também entre outras coisas, por ser reconhecido pelos seus êxitos, no qual o Líder valoriza mais as qualidades e acertos do que seus erros.

Na verdade, comandar uma equipe pressionado por metas e resultados, certamente, não é fácil para ninguém. Para alguns chega a ser uma função de risco! Se você é daqueles Gestores que, diante das exigências de seus superiores, das pressões e problemas do dia a dia, acaba explodindo e desconta o seu estresse em seus funcionários, você não tem controle e equilíbrio emocional, é hora de avaliar suas atitudes e tentar mudar a imagem negativa que tem junto a seus subordinados e outros Gestores.

Apesar de muito inteligente alguns Gestores, falta nesses a verdadeira habilidade em gestão, principalmente em saber lidar com gente. Pois a atividade de liderança no geral é de extrema responsabilidade e pode transformar empresas e resultados (para melhor ou para pior), você está lidando com pessoas, sentimentos, relacionamentos, aspirações e em paralelo com objetivos e metas da empresa.

Infelizmente, como já falamos em mensagens e artigos anteriores, muitas empresas ainda trabalham assim. 80% das empresas no Brasil têm Líderes despreparados.

Veja se você, já não disse (ou pensou): “-Estou sem ideias para melhorar as vendas”, “-Não sei mais como cobrar e o que falar com a equipe”, "Não aguento com tantos conflitos na equipe", “-Não tenho tempo suficiente para ler e me atualizar sobre o assunto” ou “-Não sei mais como motivá-los”.

A verdade é que todas essas dificuldades estão acopladas ao cargo de liderança. Mas elas podem e devem ser superadas. Quando o Gestor se torna um Líder facilitador e multiplicador, tudo fica muito mais fácil, e a equipe consegue alcançar os resultados esperados. Reflita e pratique!!!



NOTA: A seguir PARTE - 2
LEIA O ARTIGO COMPLETO